VENDAS 0800 - Ver telefone

Pesquisar
Close this search box.

AVICULTURA NO BRASIL: Tecnologias que geram maior produtividade.

A avicultura no Brasil tem se desenvolvido muito nas últimas duas décadas. A tecnologia e os procedimentos implementados por produtores e integradores transformaram consideravelmente aviários de norte a sul do país.

 

O curioso é que ao mesmo tempo que vemos evoluções tremendas na gestão e nas ferramentas, alguns fatores que já deviam estar superados ainda prejudicam a performance e os resultados do setor. Um desses fatores é o controle de temperatura.

 

Nesse cenário ainda encontramos uma minoria que, em regiões com menores variações térmicas, ainda produz sem qualquer controle de temperatura. Diferente dessa pequena parcela, grande parte dos avicultores brasileiros já trabalham com algum tipo de climatização. Os modelos vão dos mais complexos e de grande investimento até os mais rudimentares. Câmeras, sensores, nebulizadores, aquecedores, evaporadoras e a lista de equipamentos é extensa. Um item básico, no entanto, é muitas vezes negligenciado; o telhado.

Avicultura no Brasil

Avicultura no Brasil: Desafios e tecnologias

Seja em uma “Dark House”, seja em um aviário tradicional, o telhado pode ser um inimigo ou um grande aliado do avicultor. Um telhado precário pode ser responsável pela proliferação de insetos e pragas, além de aumentar muito os gastos com a climatização. O telhado tradicional apresenta desafios de vedação e requer um forro adicional para mitigar as variações de temperatura. Mesmo assim a performance térmica deixa a desejar.

E com esses desafios em vista que o uso de telhas isotérmicas ganhou inúmeros adeptos no Brasil. Integradores dos maiores frigoríficos do país já adotam a telha isotérmica como padrão. Avicultores de menor porte, mas já trabalhando na Agricultura 4.0, também já adotam a solução.

A vantagem do produto isotérmico é que ele atua tanto nos picos de calor quanto de frio. Embora esses produtos não dispensem outros cuidados e tecnologias, simplificam e barateiam muito o processo.

A diferença de temperatura externa e interna de um ambiente feito com Isotelhas chega a 8⁰, quando comparada a telhas de fibrocimento ou telhas metálicas simples. Seu núcleo isolante era inicialmente feito em EPS e hoje os fabricantes de ponta utilizam o PIR (Poliisocianurato). O PIR é um plástico termoendurecível tipicamente produzido como uma espuma e usado como isolamento térmico rígido. O PIR permitiu que as Isotelhas se tornassem mais finas, pois possuem um condutividade térmica de 0,022W/m.k, contra 0,036 W/m.k do EPS. Quanto menor a condutividade, maior o isolamento. As telhas produzidas especificamente para aviários costumam ter a face interna com filme de alumínio, que facilita a limpeza do ambiente em caso de necessidade.

Avicultura no Brasil: Investimento

Alguns produtores ainda resistem a implantação de granjas com “telhado isotérmico”, pelo custo adicional inicial. Entretanto, o produtor moderno sabe que esse investimento se paga rapidamente com os ganhos no fator de produção, conversão alimentar, redução da mortalidade, além do ciclo reduzido pelo ganho de peso mais rápido. Sem contar na redução dos custos de aquecimento no inverno e refrigeração no verão. Tudo isso sem falar do bem-estar animal, item que ganha importância a cada dia na cabeça do consumidor e já começa a ser demandado pelo mercado e pelos integradores

O que propomos são novas possibilidades para o mercado: Conheça as Granjas Climatizadas Kingspan Isoeste

Usamos cookies neste site para analisar e melhorar a experiência do visitante. Ao continuar a navegação você aceita o uso desses cookies e concorda com nossa Política de Privacidade. Para saber mais clique aqui.